Dicas & Destinos

Um passeio por Belleville, o berço da Street Art de Paris

Selecionar os passeios mais interessantes por Paris não é tarefa das mais fáceis, ainda mais quando é sua primeira vez na cidade. Paris tem tantas opções para visitar que certamente não será possível visitar tudo em uma só viagem. Eu passei treze dias por lá e ficou faltando tanta coisa… mas eu fiz um tour muito diferente do que geralmente se espera fazer em Paris. Você já pensou na possibilidade de visitar a região mais famosa por sua veia artística, boêmia e por ser o berço da street art de Paris? Eu visitei e vou contar um pouco dessa experiência pra você.

Belleville  street art

Vamos começar por um detalhe muito importante: seu calçado. Esqueça salto e sandálias muito rasteirinhas, tanto o salto alto quanto o solado muito fino atrapalham a caminhada depois de uns sobe e desce aqui e ali. Dê preferência para tênis usadinho, já amaciado. Se estiver no alto verão, use roupas leves porque o sol de Paris castiga, não se engane. Leve chapéu, água e muito protetor solar, uma vez que você vai caminhar em uma área muito aberta.

Belleville é um região que fica no nordeste de Paris, englobando parte dos arrondissements 10, 11, 19 e 20. Até o fim do século 19, era um vilarejo da periferia de Paris produtor de vinho. Sendo que em 1860, foi incorporado a Paris, mas era um bairro ocupado por camponeses e pela classe operária. Já no início de 1900 muitas pessoas fugiram da perseguição em seus países de origem e foram morar em Belleville, que funcionou como um refúgio para esses povos. Os armênios otomanos chegaram em 1918, os gregos otomanos em 1920, depois chegaram os judeus alemães, os espanhóis, judeus tunisianos e muçulmanos argelinos… Por isso, a área é uma das mais diversificadas da cidade até os dias de hoje. Muito por ali se instalaram e expandiram com seus comércios. Posso dizer que Belleville é a síntese da diversidade de Paris. É aqui que fica a verdadeira e atual população parisiense, onde o  mundo inteiro se encontra.

Leia também: Paris: Exposição digital “Van Gogh, Starry Night” passeia pelas obras do artista

Atualmente Belleville está em processo de gentrificação, apesar de ainda ser uma região de Paris pouco explorada pelos turistas, isso está mudando. Grande parte desse fluxo de visitantes se deve justamente a arte das ruas, que é livre e democrática. Entenda que caminhar por ali é entrar em contato com a verdadeira essência da Paris atual, um lugar em que o mundo inteiro se encontra.

Belleville  street art

A arte urbana na capital francesa surgiu por volta dos anos sessenta, mas nas últimas décadas esse movimento ganhou forças e também protagonismo, especialmente aqui nesta região. Belleville se tornou a Meca da street art parisiense e a rue Dénoyez é o seu epicentro. Uma espécie de “versão parisien” do nosso Beco do Batman, a rua é uma galeria de arte a céu aberto e abriga diversos ateliês de artistas urbanos. 

Leia também: Place de La Concorde – do sangue e terror a uma das mais imponentes praças de Paris

Uma caminhada pelo bairro te leva a descobertas incríveis e a constatação de que vai se deparar com obras de artistas já reconhecidos como Fred Chevalier. A mistura entre a multiculturalidade e manifestações de arte formam a essência de Belleville. Ocupado por artistas das mais diversas partes do mundo desde os anos 1980, o lugar se encheu de painéis coloridos e intervenções artísticas que dão graça para as já charmosas fachadas e ruelas. 

Mas não é só arte de rua que você encontra por Belleville. O bairro tem um grande aglomerado de galerias de arte menores, com muitas obras diferentes e de vários artistas locais.  

Leia também: Meia-noite em Paris: um passeio de bike inusitado e inesquecível

Belleville  street art

Você sabia que uma das cantoras mais conhecidas da França nasceu e morou por vários anos no bairro Belleville? Pois bem, a famosa Édith Piaf passeou muito, em outros tempos, por estas ruas hoje tão coloridas. Onde antigamente era o apartamento da cantora, atualmente fica um pequeno museu em homenagem à artista. O local guarda diversas preciosidades ligadas à carreira da cantora, como fotos, cartazes, objetos pessoais e registros audiovisuais da cantora. Mas atenção, para visitar o museu você precisará reservar um horário com antecedência, já que as visitas são guiadas por um amigo pessoal da cantora. A entrada é gratuita.

Outra atração imperdível é a colina de Belleville que, junto com Montmartre, é o ponto mais alto de Paris. O parque de Belleville, que fica no topo desta colina, tem uma das vistas mais bonitas da cidade.  Daqui é possível avistar Paris inteira, incluindo Torre Eiffel, Panthéon, Notre-Dame, Montparnasse, Concorde, Grand Palais… E o melhor: sem a multidão de turistas de Montmartre. Aproveite para fazer um piquenique e relaxar um pouco da sua caminhada antes de seguir para outra atração. Quando estive por lá em um dia bem quente de verão, muitas pessoas estavam refesteladas no gramado tomando um solzinho e bebendo um bom vinho branco geladinho. Uma ótima pedida.

Uma outra atração também muito conhecida em Belleville é o Cemitério Père Lachaise. Ali estão enterrados alguns dos artistas e personalidades mais importantes desde sempre, como Edith Piaf, o escritor Oscar Wilde, o codificador do espiritismo Alan Kardec, Chopin, Balzac, Molière, o músico Jim Morrison, entre tantos outros. O cemitério se tornou local de peregrinação para fãs e curiosos e guarda alguns fatos bem curiosos, como a tumba de Victor Noir. Prepare seus pezinhos para uma boa caminhada por aqui. 

Como você percebeu, o que não falta é coisa para se fazer por Belleville, sendo uma ótima razão para você criar um roteiro alternativo de Paris e conhecer mais da cidade, indo além do básico.

CLIQUE AQUI E CONFIRA O PODCAST
EMBARQUE NA VIAGEM NA RÁDIO JBFM

Leia também: Guia prático (e testado) de Paris

Artigo publicado originalmente no Blog Maior Viagem

O Primeiro Shopping de Containers da Zona Sul Carioca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *