Dicas & Destinos

As curiosas Catacumbas de Paris

Galerias subterrâneas guardam 6 milhões de esqueletos

O bairro Les Halles, em Paris, estava numa situação calamitosa no século 18. A superpopulação do Cemitério dos Inocentes, que já tinha quase 1 000 anos de uso, tornou a região foco de doenças. Até o filósofo Voltaire descreveu a situação: “Os cachorros vêm aqui para cavoucar os ossos; um vapor grosso exala dali”. Quando um dos muros do cemitério desabou em uma casa, em 1780, o governo, depois de ouvir tanta reclamação, ordenou fechá-lo. Cinco anos depois, para eliminar o mau cheiro da região, foi decidido que o cemitério seria destruído. O serviço sanitário parisiense empreendeu, então, um grande rearranjo de mortos, que fechou cemitérios mal conservados e levou toneladas de ossos para o subsolo da cidade, nas chamadas Catacumbas de Paris.

Entre 1786 e 1788, todas as noites uma procissão de padres seguia as charretes cheias de ossos cantando o “Ofício dos Mortos”. Nesse ritual, os restos eram cobertos por véus negros. A transferência de esqueletos dos cemitérios para as Catacumbas acabou em 1860, com as reformas urbanísticas em Paris promovidas pelo barão de Haussmann. Desde então, as ossadas ficam nos próprios cemitérios.


Continua depois da publicidade Ⓘ

Seguro viagem com até 15% de desconto!!! Se está planejando uma viagem não esqueça de contratar um seguro!💡 Clique neste link para encontrar os melhores preços. 💡 ✔ Use o cupom EMBARQUEVIAGEM10 e ganhe 10% de desconto, e para chegar a 15%, faça o pagamento por BOLETO e garanta mais 5%.


O museu avisa sobre os riscos de galerias fechadas, mas isso nunca impediu que elas fossem visitadas por curiosos. Nos anos 60, alunos de farmácia abriam caminho para colegas de medicina, que buscavam crânios a partir de entradas na própria Universidade de Paris.

1. mensagens sinistras

Nos corredores, placas indicam o nome do cemitério de onde os mortos vieram. Mas o mais impressionante são os poemas macabros e os trechos de literatura sacra. “Pare! Aqui é o império da morte” é a primeira de muitas outras frases ao longo do circuito.

2. Mortos-vivos

Algumas imagens nas galerias mostram ao visitante como era o Cemitério dos Inocentes. Ele acumulava tantos cadáveres e ossadas que o chão era 2,5 metros mais alto que o nível da rua. Hoje, no lugar, existe uma praça com uma fonte.

3. Idéia de bêbado

Há uma lenda sobre o porteiro de um hospital militar que desceu atrás de garrafas de um licor em 1793 e se perdeu. Onze anos depois, seu esqueleto foi encontrado, reconhecido pelo molho de chaves. Sua lápide podia ser visitada até 1983, mas o acesso foi bloqueado porque levava a galerias proibidas.


Continua depois da publicidade Ⓘ

✔ PAUSA PARA O MERCHAN: Acompanhe também as principais notícias de Portugal num único lugar: www.portaldeportugal.com - dicas, curiosidades e muita informação.


4. Túneis da morte

Desde o século 1 a.C., a extração de calcário foi essencial para a construção de prédios em Paris. Com o tempo, as jazidas da superfície esvaziaram e foi preciso cavar mais fundo para encontrar o material. Essa atividade de séculos criou quilômetros de túneis e galerias subterrâneos espalhados pela cidade.

5. Visual gótico

As Catacumbas têm alguns símbolos religiosos e maçônicos em sua mórbida decoração. Cruzes feitas de crânios são vistas ao longo da visita, assim como obeliscos pretos e brancos. Hericart de Thury, técnico responsável pelos, digamos, arranjos, decidiu que crânios e ossos longos ficavam à frente, e o resto, atrás.

6. Vala comum

Em duas ocasiões os mortos, ainda em decomposição, foram despejados diretamente nas Catacumbas. Esta placa marca um massacre de 25 pessoas que antecedeu a Revolução Francesa, em 1789. O outro caso foi um combate travado no Castelo de Tuilleries, em 1792.

7. Festa estranha

Grades limitam a parte aberta ao público – na verdade, um pedaço ínfimo dos cerca de 280 quilômetros de túneis subterrâneos de Paris. Mesmo assim, desde os anos 50 jovens fazem festas e passeios em galerias proibidas. Hoje, quem for pego é multado em 60 euros (cerca de 160 reais).

8. Todo mundo junto

Os ossos eram agrupados sem identificação, portanto ninguém ficou livre de ser vizinho de um inimigo. Entre os mortos da Revolução Francesa, carrascos acabaram empilhados junto a suas vítimas. Robespierre, líder revolucionário, está junto de Malesherbes, defensor do rei guilhotinado Luís XVI.

9. Noites do terror

Medrosos devem evitar as Catacumbas, que têm 1,7 quilômetro de extensão no percurso aberto aos turistas. O passeio dura 45 minutos e o sentido é único (uma vez lá dentro, é preciso fazer o percurso inteiro), 20 metros abaixo da superfície. Para completar, a iluminação é fraca.

10. Souvenir esquisito

Não é à toa que há um homem na saída do museu responsável pela revista de todas as mochilas. Freqüentemente, algum visitante tentar sair do ossuário com uma lembrança. Os ossos encontrados ficam retidos na saída, mas é praticamente impossível recolocá-los no lugar certo.

 Assim como toda a região de Paris é mapeada para facilitar a vida do turista, com as Catacumbas não seria diferente.

 …..

Fonte: Aventuras na História / Redação

……………………….


RESOLVA TUDO PARA A SUA VIAGEM COM A GENTE


  Seguros Promo

4 Comentários

  1. 26 de fevereiro de 2012 ás 15:43 Responder
    Juan Cruz

    Visitei as catacumbas e simplesmente A-D-O-R-E-I. Misterio e muitos anos de historia.
    Juan Cruz

    • 27 de fevereiro de 2012 ás 12:18

      Que legal Juan!!! Bom saber isso, assim algumas pessoas mais medrosas vão se encorajando e saem um pouco do tradicional (que também é muito bom, claro) 😉

  2. 4 de janeiro de 2012 ás 15:41 Responder

    Paris é muito mais que um “rostinho bonito”: guarda muita história!
    Rail Europe Conexão

    • 4 de janeiro de 2012 ás 22:35

      Certamente. Paris é linda sim, mas além de tanta beleza existe muita cultura, muita história e muito mistério.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *